A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), anunciou nesta semana que convocou uma reunião com prefeitos e secretários de Saúde para apresentar o plano estadual de vacinação contra a Covid-19.

O encontro, que será presencial e virtual, está marcado para a próxima sexta-feira 8.

Na ocasião, [os prefeitos] serão informados sobre prazo de vacinação, suporte às prefeituras e planejamento em geral”, escreveu a chefe do Executivo no Twitter.

Na terça 5, Fátima publicou na mesma rede social que o governo federal ainda não decidiu sobre a data concreta para iniciar a vacinação no país – o que a governadora definiu como um quadro grave de incertezas. A declaração veio após uma reunião virtual entre governadores de alguns estados e o secretário de vigilância do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros.

O grupo cobrou um cronograma, mas saiu sem respostas. Segundo a governadora do RN, ficou marcada uma nova reunião para a próxima segunda-feira 11 entre o Fórum dos Governadores, o ministro da Saúde, presidentes da Câmara, Senado e STF, além de representantes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Fiocruz e Instituto Butantan.

Reunião não só tem que acontecer, mas precisa ser resolutiva! Volto a repetir, é urgente! É fundamental que o governo federal assuma a dianteira na coordenação do Plano Nacional de Imunização. Isso significa compra de vacina e insumos, organização de estratégias e definição de uma data para a chegada dessas vacinas aos estados. Reafirmo que no RN estamos com nossa logística pronta para, junto aos municípios, darmos início ao processo de vacinação”, concluiu Fátima.

A expectativa da Sesap, divulgada em dezembro, é iniciar o plano de imunização estadual em 21 de janeiro. Para que isso ocorra dentro das estimativas, o Ministério da Saúde precisa ter iniciado a distribuição das doses das vacinas através do Plano Nacional de Imunização (PNI) ainda na primeira quinzena de janeiro. Somando ao estoque de seringa existente, a Sesap revelou que dois milhões de seringas, com agulhas de 25×6, destinadas especificamente à vacinação contra Covid-19, estão em fase de aquisição. Além disso, outras 150 mil seringas (com agulha 20×5,5) também serão adquiridas para a imunização contra o novo coronavírus.

A pasta não informou o valor que será gasto com a compra dos insumos. Também não detalhou como será o processo de compra nem se será feito com dispensa de licitação.