MOSSORÓ – A professora Ludimilla Oliveira, terceira colocada na votação para lista tríplice de reitor da Universidade Federal Rural do Seminário (Ufersa), afirmou para um blog da cidade que caberia ao presidente da República nomear o novo reitor da instituição e que ela aceitaria caso fosse convidada.
“[…] A nomeação está unicamente nas mãos do presidente da República. Dizer que o mais votado tem que ser o escolhido é ir contra o processo democrático. O resultado não representa a democracia. Lutamos contra uma máquina avassaladora. As pessoas estavam com medo, amordaçadas. Havia um silêncio. Ninguém queria falar porque tinha medo [de retaliação]. Eu sinceramente acho demagogia defender a nomeação do mais bem votado. Cabe ao presidente da República a escolha e não há nada de ilegal em nomear quem não teve a maioria de votos“, afirmou.
Indagada se aceitaria a nomeação do presidente Jair Bolsonaro, a professora Ludimilla respondeu:
Eu aceito o cargo, caso seja nomeada, sim. A democracia está em qualquer um dos nomes da lista tríplice ser nomeado. Pode colocar. Eu, Ludimilla Carvalho Serafim de Oliveira, aceito o cargo, caso seja nomeada pelo presidente, porque não há nada de ilegal nisso.”