A expectativa negativa ventilada pela imprensa com o vazamento de alguns trechos da reunião ministerial que ainda estava para ser divulgada formalizou um ambiente de hostilidade e pessimismo sobre a manutenção da popularidade do governo, ao apostar todas as fichas na divulgação integral do vídeo como um meio de derrubar o mandatário com a possibilidade de exposição de um suposto indício de interferência nas operações da PF, parece que o tiro saiu pela culatra.

Confira o vídeo e tire suas próprias conclusões:

Reunião Ministerial de 22 de abril- Mais uma farsa desmontada;- Nenhum indício de interferência na Polícia Federal;- João 8, 32 – “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”.

Publicado por Jair Messias Bolsonaro em Sexta-feira, 22 de maio de 2020

O vídeo gerou reações ainda mais positivas inflamadas pela base de apoio e também contou com confissão de críticos do governo sobre a avaliação do conteúdo exposto ser favorável ao presidente. Janaína Paschoal, notável crítica do governo que pulou do barco nas primeiras dificuldades de governabilidade, admitiu em seu Twitter o favorecimento do conteúdo do vídeo à imagem de Jair Bolsonaro.

Eu não sei se eu estou vendo a fita que vinha sendo anunciada. Realmente não sei. A fita que eu estou vendo reelege o Presidente”, escreveu.

A comentarista da CNN e opositora do governo, Gabriela Prioli, também aponta em seu tweet que o discurso exposto no vídeo inflama ainda mais a base de apoio do governo.

Faz tempo que eu insisto que a retórica do Bolsonaro não pretende atingir você, que já discorda do presidente. O discurso dele tem como objetivo engajar a base DELE e isso ele faz isso muito bem. Tem que avaliar as coisas como elas são, não como você gostaria que elas fossem”, publicou.

A análise política em cima do vídeo não deve refletir animosidades pessoais e nem intenções subjetivas, pois isso contamina a percepção e nos aparta da realidade concreta. Independentemente de você ser apoiador ou não do governo, fica claro que as falas assertivas do presidente durante a reunião mostraram um Jair Bolsonaro “raiz”, constituído da sua personalidade tradicional e de suas falas incisivas características de sua postura que o alçaram como potencial candidato já em 2014. O Jair Bolsonaro que 57 milhões de eleitores votaram estava ali presente em carne e osso.