O médio cardiologista do Sírio Libanês Roberto Kalil Filho confirmou que, durante o tratamento da Covid-19, usou cloroquina. Em entrevista à rádio CBN, ele afirmou que o medicamento era apenas um em meio a um coquetel de remédios.

O remédio é usado no tratamento de malária e lúpus. Especula-se que também possa ser usado em pacientes infectados pelo coronavírus.

O tratamento foi feito no mesmo tratamento que Kalil trabalha e teve alta nesta quarta-feira. O médico passou pela Unidade de Terapia Semi Intensiva. Questionado se o remédio funcionou, ele afirmou que os efeitos positivos foram uma soma de todos os medicamentos que tomou ao mesmo tempo. “O que me salvou foi essa gama de remédios”, explicou. “Não é um elixir da vida.” Ele ainda apoiou que pacientes internados devam usar o medicamento, associado a outros.

O presidente Jair Bolsonaro tem defendido o uso da cloroquina para todo o país. O médio David Uip, curado depois de ter Covid-19, também foi questionado se fez uso do remédio, mas não respondeu.

Em entrevista à Rádio Gaúche, Uip, que é responsável pelo Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, afirmou que receitou o remédio para pacientes.

Circulou nas redes sociais uma receita da clínica do médico com a receita de cloroquina. Ele negou que o medicamento fosse para ele, mas para pacientes tratados pelos médicos que trabalham com ele. Em entrevista à Rádio Gaúcha, ele afirma que a clínica comprou cloroquina em farmácias de manipulação para o tratamento de pacientes, junto a outros medicamentos.