No Sistema Financeiro da Habitação (SFH), apenas a taxa para quem não é correntista da Caixa permanece inalterada em 9,15% ao ano .

 A Caixa Econômica Federal vai reajustar as taxas de juros das operações para financiamento de imóveis residenciais contratadas com recursos da poupança a partir da próxima segunda-feira (19). A nova taxa será aplicada somente aos imóveis financiados depois deste dia.

A Caixa afirmou que está elevando as taxas por causa do aumento da taxa básica de juros, a Selic.   Nos financiamentos feitos pelo SFH (Sistema Financeiro Habitacional), a taxa balcão – para clientes sem relacionamento com o banco- foi mantida em 9,15%; para quem já tem relacionamento com o banco, os juros subiram de 8,75% para 9%.   Já para imóveis negociados pelo SFI (Sistema de Financiamento Imobiliário), a taxa balcão subiu de 9,20% para 11%; para clientes com relacionamento, o juro passou de 9,10% para 10,70%.

As novas taxas passam a valer para créditos habitacionais concedidos a partir da próxima segunda-feira.   Segundo o banco, as taxas de financiamentos contratados com recursos do programa Minha Casa, Minha Vida e do FGTS não sofrerão reajuste. Conforme mostrou reportagem publicada nesta quinta-feira (15) pela Folha de S.Paulo, a Caixa detém 70% do crédito imobiliário no país e a mudança na taxa de juros praticada pela instituição deverá ter impacto nos juros dos demais bancos e no ritmo de atividade da construção civil.

O reajuste nos juros da Caixa, que funcionam como um piso do mercado (o banco estatal é reconhecido por cobrar as menores taxas), deve levar as demais instituições a elevarem também os juros do empréstimo habitacional.   Apesar da alta generalizada dos juros nas demais linhas de crédito em 2014, os bancos resistiram em repassar a variação para o empréstimo imobiliário, que conta com recursos da poupança captados com pagamento de 6% ao ano mais TR.   No ano passado, a taxa Selic (juros básicos) subiu de 10% para 11,75% de janeiro a dezembro, enquanto os juros médios do financiamento começaram em janeiro e terminaram em novembro – dado mais recente- em 8,5%.