A cidade de Carnaubais na tarde da última segunda-feira, 9, se despediu de um dos seus mais ilustres filhos, o professor Edson Candido Alves , surpreendentemente, partiu aos 51 anos de idade, deixando sua esposa (Gracilda Moura) e os três filhos (Valéria Raiane, Edson Júnior e Maria Elita) e centenas de admiradores da sua vida exemplar, integra e até mesmo invejável.

A comunidade escolar parou.

O chefe do Poder Executivo, o prefeito Dr. Thiago Meira, decretou luto oficial na cidade por 3 dias.

Nas redes sociais, a comoção tomou conta das timelines de quem o conhecia de perto ou de longe.

Diretores, professores, servidores da educação e estudantes teceram ao professor Edson, as ultimas homenagens no plenário da Câmara Municipal de Carnaubais, onde o corpo também foi velado, às 16 horas, o cortejo seguiu para a Paroquia de Santa Luzia, onde recebeu de uma multidão o último adeus.

Foi possível mensurar o tamanho do professor Edson e seu legado que fica, marcando vidas e suas histórias, à todos deixa um vazio acompanhado de boas e inesquecíveis lembranças que serão recordadas sempre.  

Essinho, como era carinhosamente conhecido pelos mais próximos, subitamente sofreu um infarto na tarde-noite do domingo (8) e veio a falecer no hospital Wilson Rosado, na cidade de Mossoró.

Estudantes de uma das turmas da qual Essinho era professor, recitou a canção:

Se eu morrer antes de você.

Se eu morrer antes de você, faça-me um favor.
Chore o quanto quiser, mas não brigue com Deus por Ele haver me levado.
Se não quiser chorar, não chore.
Se não conseguir chorar, não se preocupe.
Se tiver vontade de rir, ria.
Se alguns amigos contarem algum fato a meu respeito, ouça e acrescente sua versão.
Se me elogiarem demais, corrija o exagero.
Se me criticarem demais, defenda-me.
Se me quiserem fazer um santo, só porque morri, mostre que eu tinha um pouco de santo, mas estava longe de ser o santo que me pintam.
Se me quiserem fazer um demônio, mostre que eu talvez tivesse um pouco de demônio, mas que a vida inteira eu tentei ser bom e amigo.
Se falarem mais de mim do que de Jesus Cristo, chame a atenção deles.
Se sentir saudade e quiser falar comigo, fale com Jesus e eu ouvirei. Espero estar com Ele o suficiente para continuar sendo útil a você, lá onde estiver.
E se tiver vontade de escrever alguma coisa sobre mim, diga apenas uma frase :
‘- Foi meu amigo, acreditou em mim e me quis mais perto de Deus!’
Aí, então derrame uma lágrima.
Eu não estarei presente para enxuga-la, mas não faz mal. Outros amigos farão isso no meu lugar.
E, vendo-me bem substituído, irei cuidar de minha nova tarefa no céu.
Mas, de vez em quando, dê uma espiadinha na direção de Deus. Você não me verá, mas eu ficaria muito feliz vendo você olhar para Ele.
E, quando chegar a sua vez de ir para o Pai, aí, sem nenhum véu a separar a gente, vamos viver, em Deus, a amizade que aqui nos preparou para Ele.
Você acredita nessas coisas?
Sim? Então ore para que nós dois vivamos como quem sabe que vai morrer um dia, e que morramos como quem soube viver direito.
Amizade só faz sentido se traz o céu para mais perto da gente, e se inaugura aqui mesmo o seu começo.
Eu não vou estranhar o céu. Sabe porque? Porque ser seu amigo já é um pedaço dele!

Padre Zezinho