Um seleto time de jornalistas se reuniu na noite de domingo, 1, em um restaurante no bairro do Jardim Botânico, na sede da emissora, para brindar aos 50 anos do Jornal Nacional, primeiro programa de TV no Brasil apresentado em rede nacional.

Faltou muita gente na foto, é verdade, mas os registros já garantem alguns encontros impensáveis, quase improváveis. Só de ver William Bonner e Cid Moreira juntos, bem ao lado de Fátima Bernardes, Renata Vasconcellos, Sérgio Chapelin, Patrícia Poeta e Alice Maria, já é um afago para quem, como esta blogueiro, zela pela memória da televisão brasileira.

Boni, pilar essencial na construção da hegemonia da Globo, para o JN que foi de fato o primeiro programa de TV em rede feito no Brasil. A informação serviria a um texto de análise para a Ilustrada da Folha, e ele me respondeu o seguinte:

O JN só foi possível com a inauguração da rede de micro ondas da Embratel então empresa estatal. No início, devido às custas altas da rede, somente o JN era ao vivo. Mas em 70 também atualizamos as novelas. O modelo JN veio da TV dos Estados Unidos. Uma curiosidade: assim que a rede foi inaugurada, um grupo da Globo almoçava e discutíamos a viabilidade do JN. O problema era o custo. O diretor comercial, Ulisses Arce, levantou- se e disse: ‘Eu banco. Vendo amanhã’ . E vendeu. Walter [Clark, diretor-geral da Globo na época] e Arce queriam um jornal com a entrada de locutores de diversas praças. O Armando Nogueira e eu discordamos. O Walter achava que o Armando era contra. Mas, anal o nosso formato venceu. O conceito do JN foi denido por mim, Armando e Alice-Maria. E eu escolhi o horário para brigar com o Repórter Esso.”

Na noite deste domingo, João Roberto Marinho, presidente do Conselho Editorial do grupo, comemorou a ocasião, lembrando que o JN foi o grande sonho realizado de seu pai, Roberto Marinho.

Muito bom comemorar com essa equipe os 50 anos do JN, que foi a realização de um sonho do meu pai: um jornal capaz de reunir o país e levar informação de qualidade para os brasileiros”, disse ele, segundo comunicado distribuído pela Globo que aqui reproduzimos. “Parabéns pelo que fizemos e pelo que ainda vamos fazer.”

Atual diretor de jornalismo da casa, Ali Kamel completou: “Gostaria de dizer, em nome de todos, que reconhecemos que só podemos fazer o jornalismo que fazemos graças à independência que a família Marinho tão corajosamente nos garante. E agradecer por isso”.

Além de diretores de jornalismo da Globo, executivos, e profissionais de bastidores, também estiveram presentes na comemoração nomes como Sandra Annenberg, Glória Maria, Maju Coutinho, César Tralli, Léo Batista, Dulcineia Novaes, Chico Pinheiro, Zileide Silva, Caco Barcellos, Sonia Bridi, Ernesto Paglia e Renato Machado. Marluce Dias da Silva, que sucedeu Boni no comando geral da Globo, tendo passado pouco tempo no cargo, esteve presente.